S.C.S. 08 - 1 x PEDROUÇOS A.C. -1 : 1.ª Jornada
GR - 24 - Jorge Matos
DD - 2 - Joel
DC - 3 - Albertino (capitão)
DC - 4 - Pereira
DE - 5 - Moreira
MC - 6 - Fábio
MC - 7 - Oliveira
MC - 8 - Berto
AC - 9 - Lobo
AE - 10 - Quim Simões
AD - 11 - Rui João

Treinador: Renato

Golos:
35' Lobo

Subs:
63' 17 - Pedrinho por 8 - Berto
67' 16 - Correia por 11 - Rui João
76' 18 - Silva por 9 - Lobo

Suplentes não utilizados: Hélder, Wilson, Diogo Preto, Gonçalo

O Salgueiros 08 regressou à competição na época que se espera seja de assalto à III Divisão Nacional, num jogo perante uma assistência bastante significativa apesar de pouco entusiasta.
Na estreia como treinador de uma equipa sénior Renato não surpreendeu muito, apostando com naturalidade no modelo de jogo ensaiado na esmagadora maioria dos jogos de preparação: 4-2-3-1. À frente da defesa Oliveira e Fábio lado a lado, com este último a ser o que avança mais em situação de ataque. A seguir, uma linha de apoio ao avançado centro: Berto no centro na posição 10 de distribuidor de jogo, Rui João na ala direita e Quim Simões na ala esquerda, com algumas trocas entre os dois durante o jogo, sendo que pelas suas características, Rui João procura mais a linha para cruzar e Quim Simões as combinações interiores.
Em termos dos jogadores escalados, com Wilson a vir ainda de um período de lesão, foram utilizados aqueles com mais minutos jogados na pré-época, sem surpresas, com a excepção na frente, onde foram titulares Berto e Lobo que só se juntaram à equipa já tarde no período de preparação. No onze apenas 3 jogadores que transitaram da época passada: Moreira, Fábio e Quim Simões, e também notório que nem no banco se encontrava nenhum jogador da época inaugural do Salgueiros 08. Estreava-se também o ex-junior do SCS Joel.

O jogo depressa entrou num compasso algo lento, sem grandes oportunidades ou até jogadas nas áreas. As equipas bem organizadas iam anulando as iniciativas contrárias sem dificuldade.
Rui João aos 16’ iniciou os remates, após um passe demasiado longo em que só conseguiu chegar à bola já em esforço, rematando de ângulo quase impossível, com Lobo em alternativa a solicitar o cruzamento.
Aos 22’ foi Albertino quem assistiu Lobo que de ângulo muito complicado rematou por cima. O Salgueiros atacava mais, mas de forma algo lenta e previsível, sempre saindo com a bola desde a sua área, também por não ser pressionante na recuperação de bola em linhas mais avançadas. O Pedrouços era quase inofensivo, e só perto da meia hora por duas vezes rondou a área salgueirista com algum perigo, mas sem conseguir tão pouco finalizar as jogadas, seguindo-se um remate ao lado que Jorge Matos tinha controlado.
A partir da meia hora o domínio salgueirista acentuou-se e o ataque ganhou a velocidade necessária para criar desequilíbrios. Rui João bate um livre do flanco esquerdo de forma perfeita aos 29’, que só por milímetros não é desviado de cabeça por Fábio, numa posição que tornaria a defesa muito improvável. O mesmo Rui João continuou em destaque tentando finalizar com remate colocado ao ângulo, uma assistência carinhosa de Quim Simões, após uma grande boa de ataque. Foi aos 33’, fazendo adivinhar o que chegaria aos 35’.
Rui João recebeu na ala direita, sinalizou manobra è esquerda e ultrapassou o adversário pela direita, sem dar pisca e metendo outra mudança, deixando-o a olhar para o retrovisor onde terá visto o ala salgueirista a espreitar a área e a fazer um cruzamento perfeito a pingar na pequena área, para quem se esperava que fosse matador…. matasse. Lobo mergulhou, antecipando-se ao defesa, e marcou num cabeceamento à peixe que fez questão de direccionar para o poste mais distante, tornando a defesa impossível. Lobo com uma oportunidade e um golo… o que deseja qualquer treinador de um ponta de lança.
Logo a seguir Berto tentou estrear-se a marcar de cabeça também, mas a bola foi desviada por um defesa… isto após um bom cruzamento de Rui João, que combinou bem com Joel.
Aos 41’ Jorge Matos fez a sua única defesa da tarde… mas que defesa. Enorme na elasticidade a evitar o golo num livre directo a punir falta algo duvidosa.
Antes do intervalo ainda tempo para um punhado de cantos para o Pedrouços aos quais o Salgueiros sobreviveu sem sobressaltos. Ao intervalo o resultado era justo.

A segunda parte não podia começar melhor para o Salgueiros. Mesmos métodos mas mais rapidez e situações de finalização em catadupa.
Logo aos 47’ foi Joel quem avançou e fez um óptimo cruzamento a que Lobo não conseguiu chegar por muito pouco. Dois minutos após e numa nova excelente jogada de envolvimento Rui João toma a iniciativa e avançou… avançou… até rematar e ver a bola cortada por um defesa. Os adeptos suspiraram por um chapéu dado o adiantamento do guarda-redes provocado pelas sucessivas simulações de Rui João.
Foi noutro ataque rápido que após um derrube por trás, que deixou imensas dúvidas, que o Pedrouços ficou a jogar com 10 por acumulação de amarelos.
Numa das melhores jogadas de ataque, novamente encarrilada pelo incontornável Rui João, Berto teve oportunidade de finalizar sozinho na área, após centro de Fábio, cabeceando pouco colocado, permitindo uma (grande) defesa, a primeira de várias, ao guardião contrário.
Pouco depois, após um lance de ataque do Salgueiros que pareceu impedido por falta, no contra-ataque seguinte o árbitro assinala uma falta muito próximo da linha da área, num lance muito discutido pelos jogadores do Salgueiros. No seguimento do livre surge o empate, com a barreira dos salgueiristas a ‘furar’, não dando hipóteses a Jorge Matos defender.
Nesta jogada e até ao final do jogo, ficou a clara sensação que o árbitro mostrava algum ‘remorso’ pela expulsão, e foi deixando passar algumas faltas aos jogadores do Pedrouços, bem como algumas punições disciplinares. Os jogadores do Pedrouços agradeceram a benece e foram endurecendo o jogo, tentando agarrar o ponto à vista com agressividade crescente nos desarmes. Perto do final, até um derrube a Correia em jeito de placagem de futebol americano perto da linha de fundo passou sem amarelo.
Até ao final, o jogo só teve uma história: ataques consecutivos do Salgueiros com o Pedrouços a defender-se como podia, jogando com o relógio sempre que possível.
Aos 62’ Lobo cabececou à figura após boa jogada e em grande posição, mas com o lance impedido por fora de jogo.
Foi também por volta do 65’ que se começou a notar outro facto que marcou a partida: a quebra física de boa parte da equipa salgueirista.
Rapidamente Rui João e Berto deram lugar a Pedrinho e Correia, para aos 73’ Lobo concluir uma grande jogada de envolvimento e um cruzamento de 6 estrelas de Joel, com um cabeceamento para golo certo, evitado por enorme defesa do guardião do Pedrouços. Após o lance Lobo pediu a substituição, já nos limites físicos também, sendo substituído por Silva pouco depois.
Até ao final mais 3 situações de perigo para o Salgueiros: aos 80’ Pedrinho faz um remate portentoso para grande defesa, talvez mesmo a melhor da partida; aos 88’ Quim recebe dentro da área de peito e reclama penalti por derrube do defesa que não pareceu existir; aos 89’ Quim Simões não consegue emendar um cruzamento de Moreira já bem dentro da pequena área.

O resultado é naturalmente injusto para o volume de jogo produzido e pelas oportunidades criadas. Para o Pedrouços ter de facto ambições a ser confirmado como candidato à subida terá que mostrar bastante mais do que mostrou.
Para o Salgueiros 08 são dois pontos perdidos, com alguma infelicidade é certo, mas também com mérito para a exibição do guarda-redes contrário, e para a eficácia do Pedrouços que com dois remates à baliza em todo o jogo fez 1 golo.
Para o Salgueiros saem no entanto bastantes factores positivos e quiçá um que deixa algumas reticências. Há um claro modelo de jogo assente numa ideia do futebol pretendido muito definida. Modelo que foi sendo ensaiado na pré-época e que já parece com elevado grau de assimilação pelos jogadores: futebol apoiado e de posse de bola, com grande segurança defensiva reforçada pelo duplo pivot à frente da defesa, saindo quase sempre de trás para a frente procurando os 3 criativos atrás do ponta de lança para combinações em futebol curto para criação de desequilíbrios.
Além disso a equipa mostrou uma grande segurança defensiva, bem como um trabalho claro na preparação dos lances de bola parada a nível defensivo.
De negativo ficou a falta de acerto na finalização e a tal reticência… a quebra física da equipa, muito acentuada em alguns jogadores.
Podiam fazer-se alguns destaques positivos individuais, mas um merece especial referência: Joel no primeiro jogo como sénior conseguiu estar à altura do jogador que substituiu, o que diga-se era uma tarefa bem difícil. Certo a defender, foi também corajoso nas subidas e conseguiu 3 ou 4 cruzamentos de excelência, juntando a isso uma resistência física muito acima da média da equipa.
A luta começa aqui e se o resultado não foi totalmente positivo, os sinais dados só podem deixar os salgueiristas esperançados por uma boa época.

(Crónica de jogo por Luís Gomes)
12 Respostas
  1. Magalhães Says:

    Gostei do vi, mais na 2ª parte aonde fomos mais ofensivos, se o Pedrouços é candidato, então isto vai ser canja, pois fomos melhores em todos os sentidos.
    Parece-me que temos equipa bem acima do exigido nesta divisão.


  2. O Joel é um jogador de excelência. Há males que vêm por bem, saíu o Passos, deu oportunidade ao Joel, e ainda bem!


  3. red_phoenix Says:

    Continuo sem perceber o porquê de tantos elogios a como está a jogar o Salgueiros, não nos vejo a jogar nada de especial. E dizer que temos equipa bem acima do exigido nesta divisão... é não conhecer minimamente a divisão de honra, digo-lhe que para sermos campeões vamos ter que jogar muito mas muito mais do que aquilo que jogamos ontem.

    Entretanto já foram 2 pontos perdidos em casa para uma equipa que esta época nem penso que seja candidata à subida.
    Os resultados de pré-epoca já não auguravam nada de bom e este começo ainda menos. Continuo a ver-nos como outsiders na luta pela subida, espero que subamos, mas não conto com isso. O que é importante é mesmo ver bom futebol o que a epoca passada se viu pouco.

    Joel e Lobo parece-me que encaixaram bem na equipa, o Lobo já o conhecia e acredito que fará muito bem o lugar do Heitor.


  4. RC Says:

    Não pude estar presente no estádio para apoiar a nossa equipa mas, pelo que vi nos vídeos e pelo que li na crónica, gostei dos princípios de jogo apresentados. Espero que a equipa tenha paciência na construção de jogo, de pé para pé, e não se deixe levar pela ânsia dos adeptos em ver a bola na área adversária. Com calma lá chegaremos.

    Ainda estamos no 1ºjogo, falta muito para definir quem é ou não candidato. Deixemos os pontos falar. Eles ditarão quem está certo ou errado.

    FORÇA SALGUEIROS!


  5. Nelson K Says:

    A meu ver, estamos apenas a começar. Começamos bem, um empate é verdade, mas foi um bom esforço por parte da nossa equipa.
    A lembrar, que este jogo não significa nada em relação a como irá decorrer o campeonato.
    Acredito piamente que este será o ano que iremos voltar aos escalões nacionais de futebol.
    Desculpem a minha inocência, mas este fim-de-semana, mencionei a um amigo adepto do Salgueiral, o facto de que daqui a uns anos, irei estar sentado no Dragão e a ver o meu Salgueiros na Liga e acreditem que vou estar com um nó na garganta e com lágrimas nos olhos!

    Força Salgueiros!

    "Salgueiros, meu Salgueiros Ontem hoje e sempre Tu serás o mais bairrista Salgueiros, meu Salgueiros Vive no peito da gente Sempre a alma salgueirista!!"


  6. paulitos Says:

    Ainda só estamos no primeiro jogo mas as aves agoirentas já começam a aparecer!Só tenho que agradeçer o esforço deste conjunto de pessoas,que estão diariamente a trabalhar,para levar o meu clube ao patamar que ele mereçe.
    E eu sei que vão fazer tudo para o consseguir!
    Força equipa,voçês não estão sozinhos,porque os verdadeiros Salgueiristas estarão sempre presentes para vos apoiar.Seja nas vitóris seja nas derrotas!
    Domingo lá estaremos para gritár SALGUEIROS,SALGUEIROS,SALGUEIROS



  7. Põe aves agoirentas nisso! Há aves que têm o prazer mórbido de passividade agoirenta para depois no final terem o prazer de dizer: vês, eu bem te disse. É um modo de vida. Nem chega a ser crítica sequer, nem da destrutiva.
    Mas não é disso que o Salgueiros precisa, mas sim dos Salgueiristas que participam, que pagam, que criticam para serem melhores e que têm a coragem de se chatear quando é preciso. Aquilo que se gosta, cuida-se e leva-se a sério.
    Salgueiros até ao fim!


  8. lfg Says:

    bem e a mim?
    incomoda-me imenso o mau tempo e mesmo assim tenho que levar com ele... principalmente no inverno

    saudações
    Luís Gomes


  9. Os dois pontos que perdemos no sábado não os perdemos, própriamente, na presente época mas na época passada frente ao Desportivo, no estádio do Sport Club de Rio Tinto, com os incidentes que levaram à interdição, por um jogo, do "campo" do SCS08.
    Estou em crer, e sem querer servir de adivinho que se o jogo tivesse tido lugar na Senhora da Hora tinhamos neste momento três pontos. O campo da Senhora da Hora é mais adequado para que a equipa sinta o apoio da massa associativa e ter uma dinâmica maior.

    Não conheço esta divisão do distrital e para ser honesto convosco, só conheço o Salgueiros e o que me leva a ir a um campo de futebol é o nosso SALGUEIRAL, gostava de ser mais desportista mas felizmente tenho outras solicitações.

    Só sei que estamos no terceiro degrau da escada que nos levará mais tarde à 1ª. liga ou seja lá o que fôr, coisa nada quixotesca, é um desígnio, e gostei da equipa. Com mais um pouco de felicidade e de eficácia os resultado ainda serão mais positivos, têm alguma dúvida?


    SALGUEIROS ATÉ À VITÓRIA FINAL
    ARTUR GONÇALVES
    SCS 4677/ SCS08 179


  10. Este comentário foi removido pelo autor.

  11. nikola Says:

    Votos de boa sorte para o salgueiros neste campeonato que agora se inicia.

    Nico


Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.


  • PRóXIMO JOGO

    SCS08 x NOGUEIRENSE
    SAB., 15 FEV. 15:00
    EST. PADROENSE



    COMENTÁRIOS

    ETIQUETAS