S.C.S. 08 - 3 x A.C. CASTÊLO DA MAIA - 0 : 13.ª Jornada
GR - 24 - Freitas
DD - 2 - Passos
DC - 3 - Monteiro (Capitão)
DC - 4 - Figueiredo
DE - 5 - Moreira
MC - 6 - Fábio
MC - 7 - Gonçalo
MD - 8 - Artur
AC - 9 - Heitor
MC - 10 - Diogo
ME - 11 - Carminé

Treinador: Pedro Reis

Golos:
22' Artur
24' Heitor
60' Diogo

Subs:
62' 18 - Quim Simões por 9 - Heitor
62' 15 - F. Almeida por 6 - Fábio
75' 14 - Samuel por 10 - Diogo

Suplentes não utilizados: Rui Alves, César, Tó-Zé, Pedrinho
19.º da convocatória: Nandinho

A chuva deu tréguas no início do jogo mas nem por isso se vê o acompanhamento nas bancadas que a equipa merecia após conquistar o 1.º lugar e a cada semana apresentar melhorias na sua qualidade de jogo.
Em dia de estreia da iniciativa, a equipa entrou em campo acompanhada de uma equipa das escolinhas do Salgueiros, e após alinhar frente à bancada distribuiu a 11 crianças os primeiros cachecóis da iniciativa ‘Salgueiros Desde Pequenino’.
No onze inicial algumas surpresas: Freitas e alinhar pela 3.ª vez este ano na baliza encarnada; Gonçalo entrou para o meio campo substituindo Samuel, Artur por Pedrinho e ainda Diogo substituindo Quim Simões. Estas alterações implicaram também alteração táctica, optando Pedro pela utilização de um modelo 4x3x3, com Gonçalo ao lado de Fábio com tarefas mais defensivas, Diogo na posição 10 a apoiar Heitor e Carminé e Artur nas alas.

O Salgueiros 08 fez provavelmente o melhor jogo da época, tornando fácil o jogo desde o minuto inicial. Pode ficar a ilusão que o adversário era frágil, mas a realidade é que defensivamente e em termos de organização o Salgueiros fez um jogo quase perfeito. O quarteto defensivo vem ganhando consistência, nomeadamente a dupla de centrais, cujo entrosamento cresce a cada semana que passa. O quarteto de defesas mais a dupla Gonçalo / Fábio constituíram um bloco defensivo verdadeiramente intratável. A defender com muita agressividade, sempre a encostar nos adversários mal recebiam a bola, tirando espaço ao Castêlo para respirar em momento ofensivo. Praticamente não tiveram posse de bola no meio campo do Salgueiros e só por duas vezes entraram na área. Basicamente a agressividade e intensidade que por vezes faltaram em jogos anteriores, esteve hoje no seu ponto máximo: o Salgueiros fez faltas longe da baliza, levou amarelos e fez imensos cortes limpos em antecipação ou no choque no instante a seguir aos avançados receberem a bola. Claro que isto permitia iniciar o processo ofensivo mais rapidamente e acumular uma quantidade infindável de oportunidades de golo, quase sempre em transições rapidíssimas e algumas a roçar a perfeição, só faltando a eficácia na concretização.

Logo aos 5’ Artur fez uma passe a rasgar que colocou Heitor com toda a liberdade no flanco esquerdo para cruzar bem para o centro da área. Diogo tentou desviar ao primeiro poste levando consigo o guarda-redes mas a bola passou para Carminé, que com o guarda-redes batido surgiu um tudo nada adiantado, rematando por cima falhando um golo que parecia inevitável.
Aos 7’, o primeiro contra-ataque fulminante de costa a costa: bola recuperada com Figueiredo e Gonçalo a fazerem 2 contra 1 junto à linha de fundo, Figueiredo entregou a Carminé que em 2 toques colocou em Diogo. Este em cima da linha do meio campo só com um toque desmarcou na ala direita Heitor que com Carminé já na área para finalizar, atrasou um pouco o lance e permitiu que um defesa recuperasse e cortasse o cruzamento.
Moreira ganhou uma disputa e entrou na área descaído pela esquerda aos 12’, mas perdeu força e já em queda tentou cruzar, quando poderia ter tentado avançar um pouco e rematar em zona perigosa. Não tardou 1’ e foi a vez de Heitor ser isolado por Artur e ter oportunidade de avançar em zona frontal para a baliza, rematando talvez um pouco cedo demais permitindo a defesa ao guardião contrário.
Os primeiros 15’ mostravam o Salgueiros a ganhar todos os duelos no meio campo, nomeadamente as bolas altas com destaque para Fábio, mas ia surgindo alguma intranquilidade na bancada com a falta de concretização das oportunidades criadas.
A grande oportunidade em todo o jogo para o Castêlo da Maia surgiu aos 18’, após uma disputa de bola perdida por Moreira quando a equipa ainda estava balanceada no ataque, que o Castêlo aproveitou avançando pelo flanco direito, com um cruzamento para um jogador que apareceu isolado na pequena área, falhando de forma surpreendente já dentro da pequena área.
Mas a avalanche ofensiva continuava e finalmente aos 22’ o marcador foi aberto a favor do Salgueiros. Em mais um ataque rápido a bola foi colocada em Carminé no flanco direito com a defesa visitante em contra pé, este cruzou de pé direito para Heitor que bem no centro da área, dominou primorosamente e rematou em rotação de pé direito para a bola bater caprichosamente na barra, mas a sobrar com felicidade para Artur que depois de dominar de peito rematou para o seu 2.º golo da época.
2’ minutos depois o Salgueiros quase marcava de novo, em mais um contra ataque perfeito: defesa de Freitas com a bola a sobrar para Artur - este galga muitos metros soltando no instante perfeito na linha de meio campo para Carminé, que do flanco esquerdo cruza com perfeição para Diogo… este domina no centro da área e atira à figura…
Foi aos 39’ que chegou a tranquilidade, com Passos a receber de um lançamento de linha lateral e a cruzar da direita para Heitor, que com medo que a infelicidade do seu pé direito se mantivesse optou por um mergulho à peixe antecipando-se ao defesa. Como o dia não estava fácil para ele o guarda-redes ainda tocou na bola mas a dita entrou à mesma, permitindo à equipa sair com um confortável 2x0 ao intervalo, resultado mais que justo para o volume de jogo que produziu.
Freitas que se iria manter não batido pela 2.ª vez em 3 jogos que disputou, só aos 42’ teve possibilidade de brilhar, numa excelente saída aos pés de um avançado que aparecia isolado descaído no flanco esquerdo.
A primeira parte acabou com mais um exemplo de um ataque perfeito do Salgueiros: Carminé do centro desmarcou Artur no flanco direito, este cruzou para a entrada de Diogo no flanco oposto, desenhando um triângulo perfeito de circulação de bola. Infortunadamente Diogo encostou para o meio da baliza permitindo a defesa, com a bola a sobrar para Heitor que tentou rematar em jeito de ponto de exclamação, com a bola a sair para as nuvens. Heitor deitou as mãos à cabeça com o falhanço e o árbitro apitou para o intervalo.

A segunda parte trouxe mais do mesmo, e logo aos 48’ Passos recebeu passe de Diogo no meio campo e colocou a bola 30 metros à sua frente para partir desenfreado ganhando ao adversário directo em velocidade, tentando depois o chapéu ao guarda-redes ligeiramente adiantado, falhando por muitíssimo pouco. Seria um prémio justo para um dos jogadores em destaque na partida e em crescendo no campeonato.
Aos 57’ Diogo falha pela 3.ª vez, surgindo isolado e com Heitor a seu lado, foi incapaz de fintar o guarda-redes que estava bem longe da baliza. Mas 3 minutos depois Diogo marcaria o 3x0, em remate seco de pé esquerdo após assistência com brilhantismo de Artur. Bonito o espírito do grupo a animar Diogo que mal festejou o golo, visivelmente afectado pelas anteriores oportunidades falhadas.
A meia hora seguinte é a menos conseguida do Salgueiros no jogo. Com o jogo sempre controlado e sem nunca vacilar em termos defensivos, ofensivamente começou a existir alguma precipitação na tentativa de passes para isolar jogadores, que invariavelmente saiam ou longos demais, ou cortados por fora de jogo. Com alguma calma adicional na troca de bola a meio campo para escolher o momento correcto do passe a rasgar, os resultados teriam sido outros e certamente o resultado avolumar-se-ia.
Mas ainda antes do final mais dois golos desperdiçados, já em período de descontos. Primeiro após recuperação de bola de Gonçalo, verdadeiramente incasável todo o jogo, cruzou para Quim Simões que ganha a posição ao defesa e literalmente atira-se à bola de pé esquerdo, mas a posição desequilibrada do corpo inevitavelmente obrigou a bola a subir muito. Quase do mesmo sitio cruzou Quim Simões para Carminé que surgiu na cara do guarda-redes no primeiro poste a encostar com calma e tranquilidade… mas 2 palmos ao lado do poste.

O resultado peca muito porque escasso, mas ter aliado à mais habitual avalanche ofensiva uma consistência defensiva que permitiu terminar o 2.º jogo sem sofrer golos é muito positivo. O 1.º lugar saiu mais sólido e a equipa visivelmente cresce em rendimento, cresce fisicamente e cresce em consistência. Com alguma eficácia adicional na concretização estaríamos perto de um jogo quase perfeito, tornando um adversário do meio da tabela numa presa demasiado fácil e totalmente manietada durante 90 minutos de jogo.
7 Respostas
  1. um dos melhores jogos k vi esta época do nosso SALGUEIROS sempre certos na defesa como diz o luis tem vindo a ganhar confiança de jogo para jogo certinhos no meio campo com o fabio a subir de forma e o gonçalo a fazer um bom jogo sempre muito esforçado sem nunca virar a cara a luta.
    diogo a ter alguns azares mas a receber o premio justo o golo a pontado como o heitor igual.
    perdemos muitos golos é certo mas o importante foram os 3 pontos conquistados e os jogadores estao todos de parabens tanto os k jogaram como os k ficaram no banco por vezes ou mesmo na maior parte das vezes como diz o luis e com toda a justiça nos na bancada temos de apoiar mais gritar muito mais eles precisam dentro do campo ouvir os nossos grito de FORÇA SALGUEIROS,e isso nao esta a acontecer na maior parte da vezes so ouço gritar SALGUEIROS se estivermos a ganhar.
    agora prg se estivermos empatados ou a perder eles nao merecem ser apoiados?
    vamos apoiar pk o nosso apoio esta a ficar muito fraco de jogo para jogo.

    henrique costa


  2. Desta vez, não há golos, nem resumo do jogo?


  3. lfg Says:

    Vai haver tudo, mas estou longe de casa... vai demorar tudo um pouco mais.

    L.


  4. Salgueirista Says:

    Para mim este foi um grande jogo do SALGUEIROS que tanto amo.
    8-0 ou 9-0 não era um resultado escandaloso.

    Concordo com o Henrique , esta a faltar o apoio da bancada salgueirista. Eu pessoalmente gosto mais de estar do lado da claque porque sou um adepto que gosto de gritar pelo SALGUEIROS e tambem dizer coisas as vezes menos bonitas aos arbitros quando se portam mal.

    AMO-TE SALGUEIROS
    Helder


  5. helder somos nos na bancada k temos de fazer isso puxar por eles k estao a dar o litro la dentro e foi bonito numa altura em k eu puxei pela bancada a dizer SALGUEIROS e vcs do outro lado respondiam o mesmo essa parte foi linda mas falata muito mais apoio


  6. The_Val Says:

    Bom jogo do Salgueiros, frente a um adversário muito frágil. Ficou 3-0, poderia ter ficado 6, 7 ou 8 a zero, tal a enorme quantidade de oportunidades flagrantes desperdiçadas.

    Artur foi, na minha opinião, o melhor em campo. Bom jogo também do Fábio, Gonçalo e da dupla de centrais.


  7. camapaco Says:

    Jogou-se bem e fomos práticos, mas fomos também inteligentes. E jogar bem, ser prético e inteligente é trabalho da equipa técnica,jogadores, dirigentes e da incansável e inegualável alma salgueirista. Vamos com calma o caminho é longo e dificil. Mas mais dificil é o Salgueiros treinar e jogar sem campo próprio.

    BIBA O SALGUEIROS


Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.


  • PRóXIMO JOGO

    SCS08 x NOGUEIRENSE
    SAB., 15 FEV. 15:00
    EST. PADROENSE



    COMENTÁRIOS

    ETIQUETAS